Michele Adams, Risk All-Stars

riskonnect logo icon
Michele Adams, VP, Risk Management Operations & Casualty Claims, Walmart

Michele Adams
VP, Operações de Gestão de Risco e Reclamações de Acidentes
Walmart

Qual é o seu historial educacional?

Rollins College (licenciatura em comunicação organizacional), Crummer Graduate School of Business - MBA

Sabia que queria entrar na profissão de risco? Se não, qual foi a sua viagem para chegar aqui?

Eu não planeava entrar na profissão de risco. A minha viagem começou em 1989 quando estava a trabalhar numa joalharia, e um colega de trabalho partilhou que havia oportunidades numa empresa de administração de terceiros. (Na altura, nem sequer sabia o que eram TPAs ou a compensação dos trabalhadores). Aceitei um emprego como assistente de reivindicações e obtive a licença dos meus ajustadores de compensação dos trabalhadores no espaço de alguns meses.

Um dos ajustadores que apoiei saiu em licença de maternidade, e fui promovido a ajustador - com experiência zero. Isto foi antes do voicemail e do e-mail, e ainda tenho muita pena dos reclamantes pelos quais era responsável na altura! Creio que tive uma carga de trabalho de 200. Depois de cerca de um ano, descobri o que estava a fazer e gostei realmente de tratar de reclamações. Deixei essa TPA para outra, e acabei por ir para a Walt Disney World em 1996. Após 24 anos com a Disney, desempenhei vários papéis interessantes que expandiram a minha profundidade e amplitude de experiências. Deixei a Disney em Abril de 2020 como VP de gestão de risco. Juntei-me ao Walmart nessa altura na minha actual função, VP de operações de gestão de risco e reclamações de acidentes.

Tive a sorte de poder levantar a minha mão para novos desafios e projectos ao longo da minha carreira, traçando o meu próprio caminho por vezes com trabalhos que concebi, e trabalhando para líderes que viram mais em mim do que eu consegui ver em mim próprio. Por vezes brinco que tive a sorte de trabalhar para pessoas que se reformam, mas a realidade é que a oportunidade precisa de encontrar a prontidão - e eu estava pronto quando as oportunidades surgiram para mim. Tive uma grande carreira até agora e sinto-me como se estivesse apenas a começar.

Há quanto tempo trabalha na profissão de risco?

No total, desde aquele primeiro emprego em 1989 até aos dias de hoje - 32 anos.

O que é que mais gosta no que faz?

Adoro a variedade do trabalho. Nunca é o mesmo de dia para dia, e eu nunca me aborreço, o que se adapta perfeitamente à minha personalidade. Posso trabalhar em coisas que requerem um foco singular, silêncio e atenção individual; e posso colaborar entre equipas e empresas para causar impacto. Esta ocupação tem tantos caminhos diferentes - financeiro, análise de dados, jurídico, médico, advocacia - que a lista continua. Não há muitos trabalhos que lhe permitam trabalhar de ambos os lados do seu cérebro e ter tanta variedade.

A gestão do risco mudou ao longo da sua carreira? Em caso afirmativo, como?

Basta considerar todos os grandes eventos mundiais - naturais e artificiais - que ocorreram nos últimos 32 anos, e a gestão de risco tem sido central para cada evento. Os mercados são movidos pelo ambiente em que operam, e as operações devem responder aos mercados. Creio que a segurança profissional e pessoal é vista de forma muito diferente do que era há 30 anos atrás. Há mais propriedade e responsabilidade, e acredito que somos muito mais seguros e mais inteligentes. A tecnologia tem sido central para tantas mudanças e melhorias. Trabalhamos de forma mais inteligente e rápida do que nunca e provavelmente só arranhámos a superfície do que é verdadeiramente possível. É uma época emocionante para fazer parte desta profissão.

Que conselho daria a alguém que está prestes a iniciar a sua carreira na profissão de risco?

Seja paciente e aproveite qualquer oportunidade para aprender. Quando penso no passado, sei que nunca teria acreditado em ninguém que me tivesse dito quando tinha 19 anos que um dia lideraria o departamento de risco para o maior retalhista e empresa da Fortune 1 do mundo. Nunca tracei intencionalmente este caminho, mas ao estar aberto a diferentes experiências e desafios e ao aprender com essas experiências, dei por mim pronto e disposto a fazê-lo.

Tem um lema pessoal? Em caso afirmativo, qual é?

Não tenho a certeza se é tanto um lema como uma citação que tenho no meu escritório: "O sucesso não é definitivo, o fracasso não é fatal: o que conta é a coragem de continuar". Winston Churchill. Quero ser bem sucedido, mas também serei dono dos meus fracassos ao longo do caminho. São cicatrizes de experiência e o caminho para o sucesso.

Como é a sua opinião?

Descobrir como
Riskonnect pode transformar
a forma como se vê o risco.

Agendar uma demonstração
Risk management solutions